Links teis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Poltica

Miguel Trovoada, secretrio executivo da CGG, afirma:

Estabilidade, combate pirataria e terrorismo so as prioridades no Golfo da Guin

So Tom Evitar tornar-se numa rplica do catico Golfo de Aden, nas costas da Somlia, e garantir os mecanismos para a manuteno da estabilidade no Golfo da Guin so os objectivos cimeiros da CGG onde Miguel Trovoada o Secretario Executivo.

A 19 de Novembro de 1999 nasce oficialmente a Comisso do Golfo da Guin (CGG), uma organizao que pretende desenvolver os mecanismos e sinergias entre os Estados vizinhos do Golfo da Guin. Reforo da cooperao; boa vizinhana; sincronizao nas polticas de explorao dos recursos naturais; proteco do meio ambiente na regio; busca de solues para os fenmenos da emigrao e por fim a segurana no Golfo da Guin.

Na vspera de celebrar a sua primeira dcada de existncia a CGG j alberga oito Estados subsaarianos (Angola, Camares, Congo-Brazzaville, Repblica Democrtica do Congo, Gabo, Guin Equatorial, Nigria, So Tom e Prncipe). Em Luanda foi instalado o Secretariado Executivo, centro nervoso da organizao, chefiado desde 21 de Janeiro pelo antigo Presidente so-tomense Miguel Trovoada que multiplica as deslocaes entre os Estados membros com a misso de manter de p os objectivos da CGG e obter unanimidade para a criao de uma agenda da organizao, especialmente na definio de uma data e local para a Cimeira dos chefes de Estado e Governos dos pases membros.

Em entrevista PNN, Miguel Trovoada, Secretrio Executivo da CGG, explicou que a organizao tem vrios eixos prioritrios: Segurana, Estabilidade e Paz; criar metodologias para uma explorao coordenada dos recursos naturais com vista promoo do desenvolvimento e bem-estar das populaes dos Estados membros, e por fim o desenvolvimento de aces de cooperao com o intuito de criar instrumentos de dilogo que permitam um entendimento e de paz dos pases membros.

Inicialmente prevista para ter lugar em So Tom e Prncipe, a Cimeira da CGG sobre A Segurana na Regio do Golfo foi adiada ltima da hora sine die. Segundo o Secretrio Executivo, esta reunio estava agendada para o passado ms de Maro, mas a actual conjuntura econmica fez com que ela no pudesse ter lugar. Em Junho tambm j no foi possvel. Agora est em estudo entre a Presidncia, que assegurada por Angola, Secretariado Executivo e o pas anfitrio, So Tom e Prncipe, a definio de uma data que rena o consenso de todos.

Temos uma verba anual de quatro milhes de dlares que funciona com o Plano de Aco, avana Miguel Trovoada. Para realizar vrias tarefas durante o ano temos de ter os meios indispensveis para as suas realizaes, mas tendo em conta a conjuntura econmica e financeira mundial, que se reflectiu seriamente nos nossos pases, no permitiu realizar as aces pretendidas. Tivemos que reduzir o plano e escalonar algumas aces, e o que estava previsto a curto prazo passou-se a mdio. O fundamental que os objectivos essenciais da CGG possam prosseguir atravs dos rgos competentes e do Secretariado Executivo, sublinha.

Desde que assumiu a chefia, por trs anos, do Secretariado Executivo, Miguel Trovoada afirma que houve uma reunio ministerial onde o Oramento foi aprovado, em seguida passamos a uma fase de reestruturao para redimensionar o funcionamento da organizao com o seu organigrama, onde Angola disponibilizou um certo nmero de quadros que continuam servindo. Depois do novo organigrama passamos fase de recrutamento de novos quadros. Tendo em conta o novo equilbrio geogrfico por quotas, todos Estados membros vo estar representados no funcionamento do Secretariado.

Um dos objectivos prioritrios da CGG a manuteno da estabilidade no Golfo da Guin. Segundo Miguel Trovoada a CGG d muita importncia preveno de conflitos, e pretende ajudar a encontrar solues para melhorar relacionamento dos Estados membros. Existem problemas de fronteiras e martimos que pensamos que devem ser uma das nossas preocupaes a fim de no pr em causa a estabilidade e bom relacionamento entre os Estados membros. Por outro lado, existem tambm problemas de pirataria e terrorismo nas nossas guas. Tal como no Golfo de Aden, na costa da Somlia, que tem sido assolado por actos de pirataria com refns, aces dessas caractersticas tambm tivemos na Nigria e Camares. A pirataria e o terrorismo constituem um perigo nesta zona que um eixo importante para o comrcio internacional, sendo assim necessrio que haja segurana e estabilidade.

A CGG mais uma das malhas do grande tecido da Unio Africana, que pretende tambm consolidar as bases da regio numa perspectiva da razo do continente africano no sentido de viabilizar o processo do desenvolvimento e progresso geral dos Povos Africanos, concluiu Miguel Trovoada.

IM/RN

(c) PNN Portuguese News Network

2009-10-04 19:25:57

MAIS ARTIGOS...
  Morreu Nzita Tiago, líder histórico da resistência cabindesa
  Guerrilha em Cabinda anuncia novos ataques no enclave
  Guerrilha cabindesa anuncia retoma da via militar
  Guerrilha cabindesa ataca em Buco Zau
  Emboscada da guerrilha causa a morte de três soldados angolanos
  FLEC pede a Marcelo Rebelo de Sousa para terminar o processo de descolonização portuguesa
  Cabinda: FLEC/FAC exige a libertação de Marcos Mavungo
  Cabinda: Raul Tati e Francisco Luemba libertados
  França: Dois juízes antiterroristas querem a detenção de Rodrigues Mingas
  Cabinda: José Eduardo dos Santos demite e readmite Macário Romão Lembe
  Suíça: Manifestação cabindesa em Berna
  Cabinda: Ataque da resistência amplifica divisões na FLEC

Comentrios

Nome:

E-mail:

Comentrio:


PROVRBIOS
"Kupdi tmuka ko: Nti ava kamnina."
(Ningum pode arrancar: A rvore (adulta) que j tem razes.)
Outros
Relatrio da Mpalabanda 2005 (pdf)

Relatrio da Mpalabanda 2004 (pdf)

Entrevista de Dom Duarte ao IBINDA.COM
Cartoon
Hospedagem de Sites Low Cost Jornal Digital Luanda Digital Bissau Digital Jornal de São Tomé Timor Leste Cabo VerdeMaputo Digital
Not�cias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais